Não há como vir a este lugar e não lembrar de toda nossa história, eu consigo reviver tudo dentro de mim...

Me encontre aqui também: Pieces Of Me'

quarta-feira, dezembro 07, 2011

Encontros e desencontros...


(até quando você vai dar desculpas para os seus medos?)


Percebo que, hoje em dia, as pessoas estão muito exigentes em relação ao amor. 
Qualquer passo em falso: Adeus! Não aceitamos erros alheios. 
Não aceitamos qualidades no outro que, pra nós, sejam defeitos. 
Queremos que todos estejam conectados com nossas expectativas, 
que estão altíssimas e não param de crescer.
O que nos é possível, não nos interessa. Almejamos o perfeito. O irreal. O ilusório. 
Queremos sempre o melhor, mesmo que o “melhor” não se adéque à nossa vida.
Vivemos – na verdade - na era da Intolerância. Do imediatismo. 
Da falta de paciência. Seja com downloads lentos, celulares fora de serviço. 
Ou pessoas que não seguem o nosso ritmo. 
No meio do caos, esquecemos o essencial: para se relacionar, é preciso tempo.
 Tolerância. E uma boa dose de bom senso. Não, pessoas não são descartáveis.
 Não existe manual, nem informações no rótulo. Quer saber? 
Todo mundo tem lá seus “defeitos”.
 Mas, nessas horas, não existe “loja autorizada”, nem garantia. 
No máximo, uma terapia ou um bom ombro amigo pra se reajustar.
Agora, minha pergunta: porque andamos, assim, tão exigentes? 
Será culpa da tecnologia e sua crescente evolução? 
Será falta de auto-conhecimento e amor próprio? 
Será que, no fundo, temos medo de amar e nos autoboicotamos 
com situações que nunca vão dar em nada?
Pode ser um pouco de cada coisa. 
Outro dia, ouvi uma frase interessante de uma amiga:
 o dilema da mulher moderna é saber, ao certo, o que ela procura.
 Porque, se ela procurar, vai achar! Achei de uma sabedoria incrível. 
E pensei: ao dizer isso, sei que muita gente vai me criticar. 
Mas pense comigo: será que estou, de fato, errada?
Não, não vamos colocar a culpa no outro. 
Se as coisas não estão dando certo, temos grande responsabilidade sobre elas.
 Não vamos começar nosso discurso manjado que queremos viver o amor, quando, 
na verdade, atraímos pessoas problemáticas, instáveis e avessas a compromisso. 
Se isso acontece uma vez ou outra, tudo bem. Do azar no amor, ninguém foge. 
Mas se o padrão prevalece, então, está na hora revermos nossos conceitos. 
A gente acha o que – na verdade - procura. 
Se encontramos pessoas (e amores) que só nos trazem infelicidade, 
angústia e ansiedade, o melhor a fazer é nos voltarmos para dentro. 
E repensarmos quem somos. E o que realmente queremos.
Olha, eu não sou psicóloga, nem dona de nenhuma verdade. 
Adoro lugar comum, gosto de escrever sobre o que meu coração dita. 
Sei que ninguém gosta de aceitar suas culpas, 
muito menos admitir quando faz escolhas erradas. 
Mas, se estou aqui hoje, dando a cara à tapa, é porque descobri que me 
boicotei durante muitos anos. É, fugi do amor com medo de perder minha liberdade.
 Ou com medo de perceber que amor não traz garantia nenhuma de felicidade. 
(Adeus sonhos de adolescente!).
Agora, eu vejo que viver o amor nada mais é do que conhecer a si mesmo 
profundamente e entender quem a gente é. E o que nos faz bem.
Portanto, antes de colocar a culpa da sua vida amorosa no outro. 
No destino. Em algum Karma. Ou em qualquer lugar fora de você, PENSE BEM. 
Nós encontramos FORA o que – na verdade – MORA AQUI DENTRO.


Fernanda Mello
Postar um comentário